DIA INTERNACIONAL DA MULHER




Diversas datas e acontecimentos marcam o surgimento do Dia Internacional da Mulher. Mas foi durante a 2ª Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, em Compenhague, Dinamarca, em 1910, que a socialista alemã Clara Zetkin propôs uma data para o Woman''s Day (Dia da Mulher), o que acabou internacionalizando o evento e passou a ser comemorado em diversos países, em momentos diferentes do ano. O primeiro Woman''s Day foi comemorado em Chicago, nos Estados Unidos, em 1908, quando o país fervilhava com manifestações de mulheres operárias que denunciavam a exploração do segmento, defendendo a autonomia das mulheres, incluindo o direito ao voto, conquistado em 1920, nos EUA.

Foi na Alemanha, em 1914, que ocorreu no dia 8 pela primeira vez o Dia da Mulher, por ser uma data mais prática naquele ano. Muitas mulheres, no entanto, atribuem o 8 de março de 1917 como provável motivo para a fixação da homenagem. Naquele dia, operárias russas deram início a uma greve que acabou culminando na Revolução Russa.

 O fato é mencionado em documentos históricos, escritos por um dos dirigentes da revolução, Leon Trotsky. Em 1921, surge a proposta de se fixar o dia como oficial em todo o mundo, que passou a ser comemorado a partir de 1922, como símbolo da participação feminina nas atividades de transformação social. FEMINISMO - "Para me descobrir feminina precisei me tornar feminista antes. Ser feminista não significa que não gostamos de homens e que só pensamos do ponto de vista feminino. O feminismo hoje convida todos os segmentos para lutarem juntos por melhores condições de vida", afirmou Vanda Terra, 45 anos, da Marcha Mundial de Mulheres do ABC, criada em outubro do ano passado.

A organização começou em 2000 em diversas partes do mundo. Neste ano, aproximadamente 3.000 mulheres marcharão de Campinas a Capital, a partir de hoje até o dia 18, fazendo pausas para descanso, alimentação e atividades ao longo do caminho. Mais informações em www.sof.org.br/marcha.

Comentários

  1. Anônimo17:05

    Que pena. Tão bonita (a da foto) e cooptada pela narcoguerrilha das Farc, responsável, inclusive, pelas milhares de mortes que acontecem no Brasil por conta das drogas. Talvez tenha sido forçada a integrar a narcoguerrilha. As Farc intimidam as populações dos territórios que controlam e doutrinam os seus jovens. Os que resistem são maltratados e mortos. Até Fernandinho Beira-mar negociava com as Farc.

    ResponderExcluir
  2. Cacau Nascimento19:26

    Caro comentarista.
    O senhor é conhecedor que assim como sabemos muito sobre a privacidade de nosso vizinho e nada sobre nossa própria vida, os brasileiros paradoxalmente sabem muito sobre a Europa e EUA e nada sobre a América Latina. Não é, evidentemente, o seu caso, mas atribuir às FARCs relação com narcotráfico é uma afirmação de absoluta desinformação do seu papel político.
    Nunca faça tal comentário em meio a pessoas informadas, porque o senhor será visto como um imbecil, um bobo que está reproduzindo o que escuta William Bonner e sua dedicada esposa repercutirem superficialmente no Jornal Nacional da TV Globo.
    O senhor não compreenderá, não entenderá a inserção política da América Latina no mundo se não entender o papel político das FARCs. O senhor não compreenderá - e reproduziá o que escuta no Jornal Nacional da Globo - o que o combatente Hugo Chavez faz ao peitar o imperialismo norteamericano e fechar, lá na Venezuela, redes de televisão de conteúdo questionável, tal como a Globo aqui, esse canal de TV infantil de Roberto Marinho. O que suponho a partir de seu comentário é que o senhor está voando e precisando se informar mais um pouco antes de falar em narcotráfico, em guerrilha, da guerrilheira bonita da foto.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo21:29

    reportagem da Reuters publicada pelo site www.terra.com.br

    Crianças fogem de casa para se livrar das Farc03 de dezembro de 2008 • 19h36 • atualizado às 20h11Notíciasimprimirreduzir tamanho da fonte
    tamanho de fonte normal
    aumentar tamanho da fonte


    Os rebeldes marxistas da Colômbia estão ampliando o recrutamento de crianças, numa desesperada tentativa de contrabalançar as deserções e derrotas militares.
    » Betancourt: Farc estão "rumo ao abismo"
    » Manifestantes marcham contra as Farc

    Cada vez mais famílias dizem ser obrigadas a fugir de casa por temor de que seus filhos sejam alistados compulsoriamente para as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e por outras milícias ligadas ao narcotráfico.

    As Farc existem há 44 anos e há muito tempo usam crianças como soldados, mas atualmente o recrutamento está mais agressivo.

    Uma menina de 12 anos na miserável província de Meta disse que inicialmente os guerrilheiros tentaram convencê-la com o argumento de que estaria lutando para proteger os pobres dos ricos.

    Sem muito interesse em política, ela deu de ombros. Mas a abordagem continuou - desta vez por intermédio de garotos bonitos, que lhe pagavam refrigerantes e dançavam com ela na improvisada discoteca local.

    Como ela continuava recusando, começou a sofrer ameaças. Foi então que fugiu com sua família, juntando-se a cerca de 3 milhões de colombianos refugiados de guerra.

    "No começo era tipo uma sedução. Aí começaram a dizer: 'você tem de fazer isso'", contou a menina, que atualmente vive numa escola para crianças refugiadas em Villavicencio, Meta.

    Os pais da garota continuam vivendo em sua cidade natal, e ela pediu anonimato por temer represálias.

    A violência na Colômbia diminuiu nos últimos anos graças a uma ofensiva militar com apoio dos EUA. O governo diz que as Farc têm hoje metade dos 17 mil combatentes que possuía há seis anos, quando o presidente Álvaro Uribe tomou posse.

    A maioria dos colombianos despreza a guerrilha, que tem dificuldades para recrutar militantes mesmo em áreas sob seu controle. Especialistas dizem que meninos e meninas podem ser mais facilmente doutrinados.

    Outros grupos armados estão usando táticas similares, tornando o recrutamento de menores um dos principais problemas do conflito atualmente, segundo Jorge Rojas, diretor do Codhes, principal entidade colombiana de direitos humanos.

    "A maioria dos jovens de 18 anos já se decidiu a não se envolver na guerra. Mas uma criança de 12 não formou opiniões e pode ser treinada para matar sem remorsos. Quando fazem 18 anos, já são assassinos de sangue frio", disse ele.

    "Então, quanto mais durar esse tipo de recrutamento, mais deve durar a guerra", acrescentou.

    O Codhes afirma que 270 mil pessoas tiveram de deixar suas casas devido ao conflito no primeiro semestre, aumento de 41% em relação ao mesmo período de 2007.

    Rojas disse que a maioria foge de conflitos entre as Farc e o Exército, do recrudescimento de milícias paramilitares de ultradireita, e das ameaças de recrutamento forçado dos seus filhos.

    A Colômbia tem a maior taxa de população que se desloca no mundo, depois do Sudão, segundo a Organização das Nações Unidas, que tem obtido mais relatos de famílias que deixaram suas casas para evitar que as crianças fossem captadas por grupos armados ilegais.

    "Mais e mais testemunhas estão dizendo para nós que o deslocamento está relacionado a esse assunto", disse Giovanni Lepri, chefe do escritório da agência da ONU para refugiados em Villavicencio.
    Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.

    desta vez vc esta desinformado, Cacau.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo06:40

    CADÊ A TAL DA "LIBERDADE DE IMPRENSA" TÃO PROPALADA POR VC, CACAU? DEFENDENDO A AUTORITÁRIA E ABSURDA AÇÃO DE HUGO CHÁVEZ EM FECHAR EMISSORAS DE TV? ENTÃO A REDE GLOBO DEVE SER FECHADA SÓ POR QUE NÃO ATENDE AOS IDEÁRIOS DA MINORIA MARXISTA-TROTSKISTA-LENINISTA? TÁ EXPLICADO PORQUE VC FALA TÃO MAL DA PARAGUASSÚ, PORQUE NÃO É JACU FM!!!

    ResponderExcluir
  5. Cacau Nascimento08:55

    Não, caro leitoe. Este blog nem eu defende a ação de Hugochavez por razões ideológicas. ~Este blog nem eu é marxista-trotkista, etc. Sou anarquista, ou penso que sou, ou desejo ser. Acho que Hugo Chaves está certo, entretanto, porque ele fechou os canais de TV venezuelanas a serviço doimperialismo norteamericano. Pelo contrário, assim como a FM Parceira, que está a serviço da desinformação de nossa jungla, uma emissora blindadora (blind, em ingle, quer dizer cego. Entendeu agora os termos blindagem, blindar, etc, utilizados pelos blindadores do poder local?), a ação de Chavez foi derrubar as emissora que disseminavam a desinformação e promoviam a propaganda imperialista norteamericana, tal qual Globo daqui.
    Veja e analise imparcialmente a programação da Globo. Até nos horários nobres os filmes são infantis. Os programas jornalismo científico são imbecis, e o Globo Repórte é um exemplo. A Globo 'decide quem ela quer no poder, etc. Isso não é impedimento de liberdade de imprensa; é a exigência da informação séria. É por isso que a Globo e as grandes emissoras de televisão daqui não querem mudanças. Compreendeu agora o que Chavez fez lá na suaVenezuela. Aqui estamos fazendo a mesma coisa; só que com mnos radicalismo político.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo10:47

    Cacau, de que Globo você está falando ? A Globo lulou há muito tempo, rapaz !! A Globo está com o poder da hora, isto sim. Vez por outra faz crítica ao pessoal do governo, quando não pode deixar de fazê-las, para logo em seguida "assoprar". No entanto, em termos técnicos, ainda é a melhor tv do país, ou você acha que a Record é melhor ? Seria a Record melhor por ser a mais puxa-saco do governo ?

    Ora, precisamos é de emissoras independentes e corajosas, comprometidas com a defesa da liberdade de expressão, e não de tv's públicas, mantidas pelo Estado. Estas, sim, é que não passam de porta-vozes dos governos.

    E tem mais: abusos no exercício da liberdade de expressão devem ser combatidos, além da responsabilização judicial, com mais liberdade de expressão, com a garantia da existência de múltiplas redes de comunicação concorrentes. Cabe ao telespectador e a mais ninguém fazer a seleção, optando por aquelas que sejam mais honestas e confiáveis. Jamais ao Estado, ou que se terá é autoritarismo, como ocorre na Venezuela.

    E quanto ao "imperialismo norte-americano", é uma retórica velha e ultrapassada. O Brasil pode - e deve - ser independente dos Estados Unidos, como está sendo agora na questão da retaliação comercial. Mas daí a se articular com os piores imperialismos do mundo, é pura burrice. Ou você preferiria o imperialismo chinês, ou o imperialismo russo ? Pelo menos os norte-americanos são mais democráticos.

    E o Sr. Hugo Chávez não está combatendo o "imperialismo norte-americano" coisa nenhuma. É só discurso. Mesmo porque ele depende dos EUA para comprar o seu petróleo. O que ele está fazendo é implantar uma ditadura no país, contra, inclusive, muitos que o apoiavam no início do seu governo e que agora a ele se opõem. Hoje ele governa como um títere de Cuba, com militares cubanos ocupando altos postos nas forças armadas venezuelanas.

    Você está sendo ingênuo, meu caro "anarquista" (as aspas são porque você está agindo contrariamente ao anarquismo). Desculpe-me, mas acho que o antiamericanismo que você professa é fruto de manipulação ideológica dos inimigos do anarquismo. Você é mais uma vítima da doutrinação ideológica rasteira levada a efeito pelos pseudo-intelectuais de nossas universidades, sobretudo da área de Humanas. Ainda acreditam em teorias ultrapassadas, que só faziam sentido no século passado.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo11:02

    Cacau, tenha certeza de uma coisa: se implantarem aqui uma "ditadura do proletariado" (ditadura do partido, ditadura da nomenklatura do partido, ditadura do líder da nomenklatura do partido), você será advertido imediatamente para calar a boca (ou paralisar os dedos). Se insistisse em querer exercer livremente a sua expressão, seria privado de sua liberdade de ir e vir e até mesmo calado (imobilizado) eternamente.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo11:13

    Para sua informação.




    Ex-aliados de Chávez exigem a sua renúncia
    Grupo assinou documento pedindo afastamento do presidente

    SÃO PAULO (Folhapress) - Um grupo de ex-aliados de Hugo Chávez pediu hoje a renúncia do presidente venezuelano. Formado por antigos ministros, militares e congressistas ligados a Chávez, o grupo considera que, após 11 anos no cargo, o presidente “não tem legitimidade nem capacidade de governar”.


    “Presidente Chávez, nós que fizemos da defesa da Constituição nossa luta (...) para evitar maiores males e desgraças ao país, como estão ocorrendo, exigimos formalmente a sua renúncia”, pediu o documento, assinado pelo grupo Polo Constitucional e publicado ontem na imprensa venezuelana. Entre as assinaturas estão a do ex-ministro de Relações Exteriores Luis Alfonso Dávila, do ex-ministro de Defesa Raúl Isaías Baduel, de Herman Escarrá, um dos principais redatores da atual Constituição; e de dois ex-comandantes que acompanharam Chávez na tentativa de golpe de estado em 1992, Yoel Acosta e Jesús Urdaneta, entre outros.



    O texto afirmou que Chávez deve deixar o poder por “seu projeto absolutista e totalitário”, “pela falta de prestação de contas” e “pela linguagem imprópria” empregada que “despe a alma intolerante, mesquinha, cheia de ódio e de ressentimento”. Chávez “não tem autoridade moral e material para governar, pois não responde à satisfação das exigências do povo”, acrescentou o artigo.



    O Polo Constitucional reivindicou também o direito dos venezuelanos “à propriedade privada”, à “educação plural” e ao “pluralismo político”, e lamentou que o Exército e instituições estejam “distorcidas pela penetração de elementos estranhos”, em alusão às ligações entre Chavez e Cuba. Para o grupo, o atual governo peca por uma “centralização irresponsável que coloca seus caprichos na frente das necessidades do estado”.



    Os responsáveis pela carta dizem que a Venezuela, além da falta de água e energia elétrica, enfrenta altos índices de insegurança e uma “escandalosa corrupção”. “Funcionários, familiares e os ‘boliburgueses’ (burgueses bolivarianos) saquearam administrações, ministérios, prefeituras e empresas do estado”, afirma o texto.



    Ontem, no programa de rádio e televisão “Alô Presidente” e no artigo semanal “As linhas de Chávez”, o presidente observou nas recentes manifestações contrárias a ele “o mesmo formato de violência” de abril de 2002, quando foi derrubado do poder. “Há grupos que estão chamando os militares ativos, incitando-os. Recomendo que não o façam porque juro que minha resposta será forte.”

    ResponderExcluir
  9. Anônimo11:23

    "A Globo 'decide quem ela quer no poder"

    A Globo morre de medo de quem está no poder, isto sim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário